segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Episódios em que eu podia ser uma heroína...

No sábado passado estava eu a conviver amenamente com as minhas pessoas quando preciso de me ausentar por alguns segundos para ir buscar um currículo ao carro e entregá-lo a um conhecido que se encontrava do lado de fora do edifício onde eu estava.
Acompanhada por uma amiga, começamos a ir para o estacionamento quando passa por nós um rapaz que ia meio cambaleante ao mesmo tempo que falava sozinho.
Eu como forma de desvalorizar a cena pensei logo, ca granda cadela com que aquele vai, até que a minha amiga me diz: Este é o vizinho do X e do Y, o vizinho maluco.
Nesse momento a minha cabeça retiniu com tanto alarme que tocou, vocês não sabem mas eu sou uma pessoa que, quando vê um cenário que se pode tornar problemático para mim, começo a pensar furiosamente em várias maneiras de resolver cada situação que me passa pela cabeça. Chamem-lhe paranóia...
Assim que ouvi aquilo, olhei para trás (graças à minha paranóia) e dei-me conta que o tal rapaz, afinal tinha mudado de ideias e achou que nós éramos uma companhia mais apetecível. Entrei em modo de combate, hum hum, toda eu tenho um modo de combate.
Flecti os músculos, estalei o pescoço... Ok, estou a gozar, a única coisa que fiz foi colocar a chave do carro por entre os dedos e cerrar o punho para o caso de lhe ter de dar um murro, espetar-lhe aquilo nos olhos, e nas partes baixas. E em tom de sussurro virei-me para a minha amiga e disse: Anda mais rápido. Eu própria obedeci à  minha ordem enquanto ia olhando de solsaio para trás e constatava que o rapaz queria mesmo "conversa" connosco.
Nestas alturas penso sempre, estás f... lixada, tens que lhe dar um soco certeiro, vê-la se não levas porrada, é uma estupidez andar à porrada, mas porque é que isto tinha de acontecer comigo?
Sou muito dramática, o facto é que conseguimos andar mais depressa que ele, e fomos ter com o tal conhecido nosso que me vinha buscar o currículo  o rapaz, vendo que estávamos acompanhadas decidiu mudar de rota e foi a falar sozinho pela rua fora.
E nestas alturas o meu ego de combatente fica frustrado por não ter dado uma coça a quem me provoca esta sensação de perigo, enfim, nunca serei uma heroína.

18 comentários:

Luis Rodrigues disse...

Nem todos os vizinhos malucos merecem uma vizinha heroína

POC disse...

Tens que voltar para o ioga.

Uma Rapariga Simples disse...

Só lhe querias dar uma coça por ele ser maluquinho, porque se ele fosse alto, forte e espadaúdo... (eu bem sei o que andaste a escrever aqui há uns tempos).lol

Tenho aqui um saco de boxe em casa, vão uns murros para digerir o almoço? ;)

Sufocada disse...

Vocês perceberam-me mal :(
A condição do rapaz não era o relevante, não foi por isso que me armei em panda do kung fu sem realmente tocar em alguém.
O relevante na situação é que eu sou CAUTELOSA ou paranóica em situações que podem ser problemáticas para mim.

Agora só me sinto mal! Pff.


Ps. um saco de box dava jeito!

Uma Rapariga Simples disse...

Oh, mas assim ficou muito mais dramático. Liberdade criativa, minha cara. lol

Eu estranho é o menino POC, a sugerir-te aulas de ioga e o camandro. Credo que ele anda tão passivo. Deve estar ressacado da vitória no FIFA.

POC disse...

Lá porque no outro dia desfiz-me em mimos para com vocês duas, não pensem que algum tipo de moleza se apoderou de mim.

Continuo um Rambo.

Uma Rapariga Simples disse...

De fita violácea, se bem me lembro! O que faz de ti o Rambo mais coisinho da história dos Rambos. Mas, vá, salva-se a cor do sangue que te corre nas veias. Podia ser pior. :D

Sufocada disse...

URS, Imaginas o POC a fazer ioga? Já tens com que te rir hoje :D

POC, POC, não te faças de machão, no fundo és um... fofinho (?)
ahah!

POC disse...

Vou piscar o olho, para não ter de partir para a violência.

;)

Sufocada disse...

Boa gestão de raiva, vou aprender contigo, haja algo que se aprenda contigo :D

Uma Rapariga Simples disse...

Oh cachopa, não posso. Ai o que me foste lembrar!!! lool

Txiiii, olha o 'fofinho'!! Não era isso que ele não gostava nada que lhe chamasse? Acho que vou ter de lhe escrever outro poema para me redimir. :D

Sufocada disse...

Hum...
O que te fui lembrar? Sabes que tenho uma mente imaginativa e neste momento parece que tomou um speed =/

Se é para escritas bonitas eu voto nisso :)

POC disse...

Não sou fofinho, sou uma besta.

Sufocada disse...

hum hum :D

Eva Maria disse...

Foste mais heroína do que podias ter sido. Afinal ele não tem culpa da sua "condição" :)

Sufocada disse...

Eva, eu não sou uma pessoa violenta, nunca começaria uma briga sem que houvesse indícios claros de que se fosse a primeira a levar ia ficar estendida no chão.
Se posso evitar, primeiro ando mais depressa :D

Xs disse...

És mesmo convencida!
ehehe

Sufocada disse...

Ahah, autoestima blogosférica, garanto-te :D