terça-feira, 27 de novembro de 2012

O horror em pelota

Meus queridos, é com o coração apertado que vos dou esta noticia, parece que para nos casarmos temos que ser marsupiais peludos e sempre com cuecas vestidas.

Atentem:

E não tentem passar-lhe a perna minhas amigas, ele irá certamente comprovar se estão depiladas, e sem cuecas. E com todo o direito, digo eu.

Portanto, mulheres sem pêlos púbicos não se podem casar, portanto já sabem. 
Também só custa nas núpcias certo? Depois o sexo acaba, certo?

10 comentários:

Eva Maria disse...

Pronto, tou na merda. Não me vou poder casar!

Sufocada disse...

Tu e o mundo inteiro, excepto talvez as francesas...


Não estou a ser má, é só uma piada xD

Uma Rapariga Simples disse...

Ainda que a questão da depilação seja demasiado íntima, para estar à consideração de terceiros.

No entanto, mesmo não concordando com as justificações, há que manter presente que uma noiva quando escolhe casar numa igreja deve ter em atenção o lugar que ela mesmo considera sagrado.

Se não é para se vestir de acordo, então case noutro lugar qualquer.

Saber estar em qualquer lugar e em qualquer situação é uma virtude que poucos têm.

Sufocada disse...

Claro que concordo com isso, estava obviamente a brincar com a situação.
Também acho que ir para a igreja como uma indumentária pouco própria, ou neste caso sem cuecas, e que isso seja visível é insultuoso.
Há que respeitar o sitio em que nos encontramos.

Quanto à depilação, a história é obviamente outra.

Uma Rapariga Simples disse...

Quanto à depilação... fiquemo-nos por aqui. :P

Sufocada disse...

Sim? Reflictamos sobre o assunto... LOL :P

Uma Rapariga Simples disse...

Ai, ai... :D

Skin n Under disse...

Mas também quem quer casar? :P

Pulha Garcia disse...

O regresso ao conceito de mulher mediterrânica é, na minha modesta opinião, nada menos que o próprio anticristo.

(Casar é fixe para os advogados)

Sufocada disse...

Skin, eu não.
Foi só um aviso :)

Pulha, contradições, daí que eu e a igreja tenhamos uma relação complicada.

(pois, sim, casai-vos todos, já chega de desemprego)