terça-feira, 11 de setembro de 2012

Querida Jenny...

Hoje acordei cedo e fui ajudar o meu avô a apanhar batatas... 5/9/ dois mil e troca o passo.
Hoje continuei a ajudar o meu avô a apanhar batatas...6/9/dois mil e troca o passo.
Hoje fui apanhar batatas com o meu avô...7/9/dois mil e troca o passo.

Hoje o Bartolomeu estava com uma camisola gira, mas não me falou o dia inteiro... 9/7/dois mil e coise.

Hoje a Ermelinda disse mal da Josefina e a Gertrudes foi dizer-lhe... 6/8/ dois mil e o raio.

Gosto muito do meu pai... 3/7/já perceberam

É verdade, nos meus 11/12 anos tive um diário e no outro dia encontrei-o, e sim isto são exemplos de algumas entradas que eu escrevi. Tanto me ri, como me deu a nostalgia pela minha ingenuidade. 
As primeiras entradas são soberbas e consigo lembrar-me desse verão como se fosse este, a primeira semana dessas férias foi toda passada na horta do meu avô a ajudá-lo. E o Bartolomeu (nome fictício) foi a minha paixoneta da altura, e as raparigas com nomes invulgares eram  as intriguistas, e ainda hoje gosto do meu pai (só para que conste).

Já agora, no titulo, "Querida Jenny", é o nome que dava ao diário e por isso era a quem me dirigia quando ia escrever. Quero tentar lembrar-me se a "Jenny" era alguma personagem de alguma coisa que eu gostasse na altura, porque sinceramente não faço ideia porque lhe chamei Jenny.

Confessem lá, aqui à vossa mais querida blogger, também tiveram diários certo? 
Também escreveram coisas tão ou mais estúpidas que estas, certo?
Não sou assim tão estranha... CERTO?

11 comentários:

Vic disse...

Vou-te contar uma coisa: a minha cadelinha foi abandonada num canil no Porto, e se não fosse adoptada em 2 dias seria abatida. Uma senhora passou lá, tirou umas fotos à bichinha e pôs uma entrada num site sobre animais abandonados a pedir alguém para adoptar uma cadela novinha chamada Jenny :).
Adoptei-a e a tal senhora veio trazê-la cá, mas como entendi que ela iria que ter uma vida nova, mudei-lhe o nome: como é muito rosadinha, chamei-lhe Pink :).
Náo sei se ainda se lembra do nome antigo :)

Diemy* disse...

Olá! Acredita que não és a única. Eu quando eram pequena li "O diário de Anne Frank" e tocou-me imenso. A partir daí, decidi começar a escrever um diário. Até porque eu imaginava que quando fosse mais velha, iria acabar por me rir mas também por me lembrar de coisas que já me tinha esquecido. Além do mais, eu gostava de escrever. :)
Tive diários (sim, foi mais do que um) desde os 14 anos mais ou menos. De uns anos para cá, deixei de escrever diários e passei a escrever histórias que me vão surgindo na mente.
No entanto, eu lembro-me que escrevia coisas também idiotas mas ao mesmo tempo, coisas que me faziam pensar melhor sobre as coisas. Acho que os diários servem também para isso. :)

Beijinhos*

Eros disse...

Por acaso nunca escrevi um diário... acho que o estranho reside justamente aí (não escrever um), pois sempre que me encontrava nos refúgios utilizava cada partícula de tempo para ler e ler e ler e ler...

Sufocada disse...

Vic, fantástico.
Adorei saber um pouco mais sobre a Pink, e bem sabes que ela já é uma estrela no mundo blogosférico.

Diemy, falei do assunto de modo leviano e na brincadeira mas tenho exactamente essa opinião sobre a escrita/diários. E como também adoro escrever, agora não escrevo diários mas páginas soltas, histórias que me surgem e que no fim acabam por ter uma mensagem sobre a realidade da minha vida.
E relaxa-me, muito.

Eros, consigo perceber o que dizes, e até concordo contigo. Principalmente com a intensidade que escreves (e vives) cada momento... Seria um bom diário para ler!

Uma Rapariga Simples disse...

Tive e tenho um diário, dado pela minha mãe como prenda de Natal em 93 (tinha 13) e que só chegou a meio porque a certa altura comecei a colar-lhe bilhetes e coisas que marcavam os meus dias. Sim, minha linda, tenho o bilhete de comboio que tirei quando fui saber se tinha entrado na faculdade (21/09/98), os que tirei quando fui par Lisboa e coisinhas destas.

Já nem o leio, meu Deus, não sobrevivo a tanto erro ortográfico. lol

Estudante disse...

Também tive diários mas deitei-os sempre para o lixo x)

Sufocada disse...

URS, Essas lembranças também fui guardando. Não com tanto decoro como tu, mas acabam por ser engraçadas :)

Eu nem falo dos erros ortográficos, logo eu que nos ditados sempre tive 10 erros em 9 palavras (fiu fiu)

Estudante, então? Agora podias rir-te um pouco. ahah :D

Mafi disse...

tmb tive diários, muito fashion! com coelhinhos e merdinhas na capa e o belo do cadeado dourado e claro a chave escondida num sítio mega secreto!

Depois tive um diário do Harry Potter, com o belo trio na capa e claro que desabafa as minhas aventuras tão interessantes de uma Muggle lisboeta xD

E sim escrevia muitas coisas parvas!! muitas!

Sufocada disse...

Ahahah Mafi, e guardas-te?
Se o fizes-te, lê-los agora é uma comédia :D

POC disse...

Diário, eu? Só na Ásia.

Sufocada disse...

É preciso ter-se sentimentos para se escrever um diário :P