sexta-feira, 8 de junho de 2012

Mentira, Ganância, Infelicidade




"(...)I want to see you choke on your lies
Swallow up your greed
Suffer all alone in your misery
Choke on your lies
Swallow up your greed
Suffer all alone in your misery(...)"


Eras da família, tinha em ti um exemplo de sobriedade, inteligência e maturidade. Tentei agradar-te, fazia por ter a melhores notas, embora nunca tenha passado de aluna razoável. Esforçava-me por ler livros que na altura nada me diziam, livros esses que pouco percebi e que ainda hoje lhes tenho alguma aversão, porque tu os lias, porque tu me dizias que eram bons livros, com mensagens subtis e bons ensinamentos. Tentava ter um corte de cabelo que se ajustasse ao que tu pensavas ser correcto para um rapariga nesta sociedade, a roupa embora não fosse conservadora, pouco tinha a ver comigo, mas não me importei. Não falava no meu desejo prematuro de querer marcar o meu corpo com algo mais do que feridas das corridas que fazia na escola e acabava no chão, as tatuagens eram quase tabu em tua casa, não te podia explicar que te queria, por meio de uma qualquer imagem ou símbolo, tatuar-te em mim, porque eras por demais importante para mim. Mais do que ver-te como um segundo pai, via-te como o irmão mais velho que nunca tive. Sorria porque estavas contente e sofria quando mostravas estar em baixo.
Quando mais precisei de te sentir a meu lado, quando precisava de um apoio silencioso que me confortasse apenas com o olhar pesaroso mas conhecedor dos males da vida, tu desapareces-te. Mais do que isso, levas-te uma parte da minha infantilidade contigo, e além de forçada a crescer mentalmente por acontecimentos que nos toldam o juízo mas que fazem parte da finitude que todos temos, forças-te-me a crescer sem a tua presença e sem essa parte da criança que eu era.
Hoje vês-me na rua e viras-me a cara demonstrando que não mereço mais que um olhar, já não tenho assuntos tabu, já marquei duplamente o meu corpo e em nenhuma das marcas apareces, nem no mais pequeno ponto. Já posso usar o cabelo curto, longo, médio em simultâneo, já posso vestir-me como me apraz, já só és um exemplo do que é a desilusão, já não és meu irmão mais velho, já não és da família.
Nunca em caso algum referi que por aqui só se escreviam baboseiras com tentativa fraca de fazer rir.




12 comentários:

Elsa disse...

Nem nunca eu pensei que escrevesses baboseiras, tonta. Nem este é o primeiro texto mais 'sério' que leio aqui.

Muito bom, mesmo!

Uma Rapariga Simples disse...

Às vezes temos de largar o que vai cá dentro.

Hoje apetece-me dizer-te isto, não sei bem porquê (será da TDM?), mas és uma menina impecável. Olha, sei lá, sinto um grande carinho por ti. É isto. :) (eu sabia que devia ter atacado os chocolates)

POC disse...

Começam a armar-se em escritoras e dá nisto.
Traduzindo: um tipo só escreve baboseiras, depois vê-se no meio de gente que escreve umas coisas diferentes e inteligentes e sente-se mal.

Vou ali fechar o tasco. É desta.
Não me tentem parar.
Ouvi alguma coisa? Não, vou seguir.
Oi? Alguém pediu para eu não fechar? Anh? Não? OK, eu sigo.

Não, a sério, ouvi agora. Não?

Sufocada disse...

Elsa, Não sei se é por eu própria estranhar esta escrita que tenho necessidade de no fim dizer coisas destas. Eu por vezes sinto necessidade de escrever mais a sério, mas quando acabo o meu humor negro emerge qual peixe fora de água :P

Uma Rapariga Simples, Ainda bem que não atacas-te os chocolates :D
Quem é que não gosta de ouvir coisas destas? Muito obrigado querida, acho que fiquei com a lagriminha no canto do olho e olha que sou pouco de choros :D

POC, Não te sentes nada mal, és o mais sereno ser da blogosfera no que toca a sentires-te deslocado etc... E tu hoje até escreves-te sériamente e bem, quando o assunto mexe contigo também se nota a diferença, mas mesmo quando escreves para "aparvalhar" a gente gosta. Por isso deixa de fazer fitas sim?

Uma Rapariga Simples disse...

Não te habitues que eu sou muito má, muito má! Assim mais do que as cobras, não digo destas coisas. :)

Agora, deixa-me gargalhar... mais um bocadinho... mais... outra vez... ahahahaah "deixa de fazer fitas"... ahahahah És linda, miúda.

É, menino POC, pare de se queixar. As suas leitoras não voltam sempre ao seu estaminé, não? Até se despem! Sim, que o menino queixa-se de não ter fotos na sua posse, mas não quer dizer que elas não existam...

Anónimo disse...

Uhuhahah

http://1.bp.blogspot.com/-bPuVbSYqEwM/TwQyXlvRrEI/AAAAAAAAAsY/qKc5aBuSUHA/s1600/mr-burns-evil-laugh.png

Xs disse...

:(
Há que seguir em frente!

Sufocada disse...

Uma Rapariga Simples, Sim sim, foi um momento de fraqueza que logo te passou, nós somos rijas, não temos aquelas coisas...chamadas sentimentos! (humpf)

Anónimo, Não sei se percebi muito bem aquilo que me queria transmitir?! Estará o Mr.Burns a rir-se maléficamente porque o meu post é um bocado mau? Por caisa da música que é algo pesada? Ou apenas porque... está a ter um AVC?

Xs, E seguimos, vai custando mas seguimos :)

Xs disse...

Tem que ser assim mesmo!
Acontece a todos, de uma ou outra forma!
Mas a solução é sempre a mesma: levantar a cabeça e continuar com a nossa vida! :)

Sufocada disse...

Não podia estar mais de acordo :)

Miss Cheque-Mate disse...

Eu sei que tive uns tempos ausente daqui mas isso não quer dizer que não tenha continuado a acompanhar aqui o Sufoco. Pois é, tou de volta e espero que desta seja de vez. E sabes o melhor? Voltar e ler logo um textão destes, daqueles que só tu é que sabes escrever. Gostei, muito muito vezes infinitos muitos

Sufocada disse...

Ah minha menina, welcome back :D
É, parece que às vezes me dão laivos de inspiração! Obrigada :)