quarta-feira, 22 de agosto de 2012

2 pontos, 41548 problemas...

1º ponto, Velórios:

Detesto velórios na minha família, para além do factor óbvio, daquilo que um velório representa, e por isso me faz abominá-los, há outros...
Como se costuma dizer, só nestas alturas (e casamentos e baptizados, onde mesmo assim a probabilidade de encontrar família em 564º grau é menor) é que vemos algumas pessoas ligadas à família.
Vejamos, da parte do meu pai, o avô tem 9 irmãos, e a avó tinha 3 irmãos. Da parte da mãe, o avó só tem uma irmã, mas a avó tem 5 irmãos. Agora contabilizando os respectivos conjugues, mais uma média de 2 filhos por casal entre outros parentescos, dá uma catrefada de pessoas.
E eu sei, que nós nem somos das maiores famílias que praí há.
A questão é que há pessoas, muitas pessoas, com quem nós (os 4, cá em casa) não nos damos. Problemas antigos que nunca foram resolvidos, e que ainda hoje são motivo de discórdia e rancor. Problemas esses, que na sua grande maioria não se passaram connosco directamente, mas enfim... E nestas alturas vemos toda a essa gente de que "não gostamos" e com quem não nos damos.

Estas alturas já são más para a maioria e péssimas para os familiares mais chegados de quem faleceu, se pelo meio se contar com a tensão que existe entre as partes da família que não se dão bem, estamos perante uma pequena bomba prestes a explodir...
Como foi o caso ontem, em que no velório da tia Arlinda, estava lá a tia Rosinda (irmã dela) com quem o meu pai e o meu avô não simpatizam nem um bocadinho, por situações que se referem à avó Carolina (irmã das duas tias). E portanto tive que refrear os ânimos do meu pai umas quantas vezes... no meio de um velório. Chega a ser decadente, e portanto detesto velórios na nossa família, para além do seu significado!

O resultado foi uma grande dor de cabeça do esforço de falar com tios e primos que já não via desde o último velório, dos quais pouco sei e só me lembro das suas caras porque tenho boa memória, de ter de afastar um tio em 12º que decidiu que o meu penteado e a minha perspectiva de futuro eram fascinantes e de me esconder do olhar furtivo que uma prima (penso eu) me lançava, porque num destes velórios ela decidiu que não gostava de mim!
Princless!

6 comentários:

Estudante disse...

Odeio velórios. São uma oportunidade de apreciar o cinismo e a hipocrisia uns dos outros...

Sufocada disse...

Muito por aí estudante, muito por aí...

Uma Rapariga Simples disse...

É pouco melhor do que casamentos de família. :/

Sufocada disse...

No meu caso nem tanto porque aí já não há, pelo menos na minha familia, a obrigação de convidar alguém de quem não se gosta só para não parecer mal :)

Xs disse...

Felizmente não tive muitos velórios na minha família. E entre esses, um ou outro eram de pessoas com quem eu não me dava. Não por problemas, mas maioritariamente porque não convivíamos. E dado isso, nem sequer fui ao seu funeral. Ainda por cima estando eu em Lisboa e a família na ponta lá de cima do país, juntei as duas coisas...
Eu sei que é mau tudo isto, e ainda mais o que vou dizer a seguir, mas.... sendo pessoas que eu nunca via, com quem nunca falava nem convivia.... pouco (ou nada) me abalou! :/

Sufocada disse...

Xs, é mau mas é lógico certo?
Não é por serem pessoas da família que, se não nos damos com elas e raramente as vimos, nos temos que sentir abaladas com o seu falecimento certo?

Claro que não queremos que ninguém morra, mas vai-nos custar muito mais quem próximo está do que os que nunca os vimos.